segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Castelo de São Jorge- Portugal



Saindo de Alcântara...








































Em virtude da sua excepcional localização, o Castelo de S. Jorge destaca-se do conjunto dos miradouros de Lisboa peas vistas únicas e majestosas que permite usufruir.





















Vestígios do antigo Paço Real da Alcáçova


Todo o conjunto edificado onde se encontram hoje instalados a Exposição Permanente, o café do Castelo e o restaurante Casa do Leão constituui a memória mais significativa da antiga residência real medieval. Também na zona do Jardim Romântico (2) e nos terraços é possível ver alguns elementos arquitetônicos que integravam a antiga residência real. O  Paço Real ficou muito destruído com o terremoto de Lisboa de 1755. A ilustração da receção da Exposição Permanente, reprodução de um desenho do século XVI, é o testemunho mais expressivo do que era o Paço Real, e a cidade de Lisboa, antes do terremoto.

























De época islâmica, construído em meados do século XI, a fortificação situa-se na zona de mais difícil acesso do topo da colina, aproveitando as escarpas naturais a Norte e Oeste. O castelo tinha como função albergar a guarnição militar e, em caso de cerco, as elites que viviam na alcaçova (a cidadela).  Não tinha uma função de residência como acontece com ouros castelos da Europa. Preserva ainda 11 tores, das quais se destacam a Torre da  Menagem, a Torre do Haver ou do Tombo,  a Torre do Paço, a Torre da Cisterna e a Torre de São Lourenço, situada a meia encosta. Na segunda praça, encontram-se ainda vestígios de antigas construções e uma cisterna. Ainda neste átrio, é visível, na muralha Norte, uma pequena porta designada por Porta da Traição, que permitia a entrada ou saída de mensageiros secretos em caso de necessidade. O acesso às torres e ao caminho de ronda é feito por três lanços de escadas adossados ao pano da muralha, um no primeiro átrio e dois no segundo.





























































O Castelo de São Jorge é lindíssimo onde pude contemplar outra beleza de Portugal...
Vejo que alguns sonhos de amor vão sendo realizados por lá e os casais têm toda razão em escolher tal lugar para ser testemunha do seu amor...
Só pedi, estando lá, que o amor dos casais fosse furadouro... pois, lá, é deveras esplêndido!
Obrigada, minha fortaleza de amiga, Xunandinha,que me foi companhia na subida e na descida... Tivemos um lindo dia onde, uma vez mais, o amor de Cristo nos uniu...
Seja feliz e abençoada, minha  irmã!


Obrigada, meu Deus!


O Castelo de São Jorge-Monumento Nacional integra a zona nobre da antiga cidadela medieval (alcáçova), construída pelo castelo, os vestígios do antigo Paço Real e parte de uma área residencial para elites.
A fortificação, construída pelos mulçumanos em meados do século XI, era o útlimo reduto de defesa para as elites que viviam na cidadela: o alcaide mouro, cujo palácio ficava nas proximidades, e as elites da administração da cidade, cujas casas são ainda hoje vivíveis no Sítio Arqueológico.
Após a conquista de Lisboa, em 25 de Outubro de 1147, por D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal, até o início do século XVI, o Castelo de S. Jorge conheceu o seu período áureo enquanto espaço cortesão. Os antigos edifícios de época isalâmica foram adaptados e ampliados para acolher o Rei, a Corte, o Bispo e instalar o arquivo real numa das torres do castelo. Transformando em paço real pelos reis de Portugal no século XIII. o Castelo de S. Jorge foi o local escolhido para se receberem personagens ilustres nacionais e estrangeiros para se realizarem festas e aclamarem-se Reis ao  longo dos séculos XIV e XV e XVI.
Com a integeração de Portugal na Coroa da Espanha, em 1580, o Castelo de S. Jorge adquire um caráter funcional mais militar, que se manterá até ao início do século XX. Os espaços são reconvertidos, outros novos surgem. Mas, é sobretudo após o terremoto de Lisboa de 1755 que se dita uma renovação mais substantiva, com o aparecimento de muitas construções novas que vão escondendo as ruínas mais antigas. No século XIX, toda a área do momumento nacional está ocupada por quartéis.
Com as grandes obras de restauro de 1938-40, redescobre-se o castelo e os vestígios do antigo paço real. No meio das demoliçoes então levadas a cabo, as antigas construções são resgatadas, o castelo readquire a sua imponência de outrora e é devolvido ao usufruto dos cidadãos.
Já no final do século XX, as investigações arqueológicas premovidas em várias zonas contribuíram, de forma singular, para confirmar o inestimável valor histórico que fundamentou a classificação do Castelo de S. Jorge como Monumento Nacional, por Decreto Régio de 1910.
Os testemunhos dessas vivências do passado são, agora, dados a conhecer na Exposição Permanente e visitáveis no Sítio Arqueológico.


4 comentários:

  1. Quantas belezas por lá! Momentos compartilhados lindos! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Imagens lindas de teu passeio!
    muito bom amiga!
    e partilhar a amizade de Xunadinha foi muito terno!
    parabéns!
    Rosélia você trouxe um daqueles xales que mostrou?
    que espetáculo!

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga, já tinha um preto lindo! Por isso não comprei outro... inclusive tenho uma postagem com ele, veja aqui:

      http://espiritual-viagem.blogspot.com.br/2015/10/campos-de-jordao-sp-iii.html

      |Bjm, querida

      Excluir

Deixe aqui a sua alegria em viajar comigo.